terça-feira, 5 de outubro de 2010

NERUDA inspira

Ultimamente tem sido difícil juntar os quesitos vontade com tempo para escrever algo.

Porém, terminei a pouco o livro Cem Sonetos de Amor do Pablo Neruda, e isso me animou um pouco. Coincidentemente tive um pouco mais de tempo livre. Antes de mais nada um comentário: cada vez mais me surpreendo com a literatura latino-americana.

Nunca fui fã de poesia, mas já é o segundo livro desse poeta que leio e, posso dizer sem dúvida alguma fez com que eu mudasse de opinião. Não é por acaso que ganhou um Nobel de Literatura.

Por não haver modo de descrever um de seus sonetos, irei postar um deles aqui, e aos que gostarem digo, busquem o livro. Só encontrei a edição da L&PM POCKET, e é ótima, além de barata.



"SONETO LXVI


NÃO TE QUERO senão porque te quero

e de querer-te a não querer-te chego

e de esperar-te quando não te espero

passa meu coração do frio ao fogo.


Te quero só porque a ti te quero,

te odeio sem fim, e odiando-te rogo,

e a medida de meu amor viageiro

é não ver-te e amar-te como um cego.


Talvez consumirá a luz de janeiro

seu raio cruel, meu coração inteiro,

roubando-me a chave do sossego,


Nesta história só eu morro

e morrerei de amor porque te quero,

porque te quero, amor a sangue e fogo."


E é isso!


segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Um dia meus amigos...

Um dia a maioria de nós irá se separar. Sentiremos saudades de todas as conversas jogadas fora, as descobertas que fizemos, dos sonhos que tivemos, dos tantos momentos e risos que compartilhamos.

Saudades até dos momentos de lágrimas, da angústia, das vésperas de final de semana, de finais de ano, enfim...do companheirismo vivido...Sempre pensei que as amizades continuassem para sempre...

Hoje não tenho mais tanta certeza disso. Em breve cada um vai para o seu lado, seja pelo destino, ou por algum desentendimento, segue a sua vida, talvez continuemos a nos encontrar, quem sabe...nos e-mails trocados.


Podemos nos telefonar...conversar algumas bobagens. Aí os dias vão passar...meses...anos...até este contato tornar-se cada vez mais raro. Vamos nos perder no tempo...

Um dia nossos filhos verão aquelas fotografias e perguntarão. Quem são aquelas pessoas? Diremos que eram nossos amigos. E...isso vai doer tanto!!! Foram meus amigos, foi com eles que vivi os melhores anos de minha vida!

A saudade vai apertar bem dentro do peito. Vai dar uma vontade de ligar, ouvir aquelas vozes novamente...Quando nosso grupo estiver incompleto...nos reuniremos para o último adeus de um amigo. Entre lágrimas nos abraçaremos...

Faremos promessas de nos encontrarmos mais vezes daquele dia em diante. Por fim, cada um vai para o seu lado para continuar a viver sua vidinha isolado do passado...E nos perderemos no tempo...

Por isso, fica aqui um pedido deste humilde amigo: não deixes que a vida passe em branco, e que pequenas adversidades sejam a causa de grandes tempestades...

Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos meus amores...mas enlouqueceria se morressem todos meus amigos...

TEXTO: VINÍCIUS DE MORAES
FOTO: PIERRE VERGER

terça-feira, 20 de julho de 2010

AOS QUERIDOS AMIGOS...

DESEJO A VOCÊS...


"Desejo primeiro que você ame,

E que amando, seja também amado.


E que se não for, seja breve em esquecer.

E que esquecendo, que não guarde mágoa.

Desejo, pois, que não seja assim,

Mas se for, saiba ser sem desesperar.

Desejo também que tenha amigos,

Que mesmo maus e inconsequêntes,

Sejam corajosos e fiéis,

E que pelo menos num deles

Você possa confiar sem duvidar.

E porque a vida é assim,

Desejo ainda que tenha inimigos.

Nem muitos, nem poucos,

Mas na medida exata para que, algumas vezes,

Você se interprete a respeito

De suas próprias certezas.

E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo,

Para que você não se sinta demasiado seguro.

Desejo depois que você seja útil

Mas não insubstituível.

E que nos maus momentos,

Quando não restar mais nada,

Essa utilizade seja suficiente para manter você de pé.

Desejo ainda que seja tolerante,

Não com os que erram pouco, porque isso é facil,

Mas com os que erram muito e irremediavelmente,

E que fazendo bom uso dessa tolerância,

Você sirva de exemplo aos outros.

Desejo que você, sendo jovem,

Não amadureça depressa demais,

E que sendo maduro, não insista em rejuvenescer

E que sendo velho, não se dedique ao desespero.

Porque cada idade tem o seu prazer e sua dore

É preciso deixar que eles escorram por entre nós.

Desejo por sinal que você seja triste,

Não o ano todo, mas apenas um dia.

Mas que nesse dia descubra

Que o riso diário é bom,

O riso habitual é insosso e o riso constante é insano

Desejo que você descubra,

Com o máximo de urgência,

Acima e a respeito de tudo, que existem oprimidos,

Injustiçados e infelizes, e que estão a sua volta.

Desejo ainda que você afague um gato,

Alimente um cuco e ouça o joão - de -barro

Erguer triunfante o seu canto matinal

Porque, assim, você se sentirá bem por nada.

Desejo também que você plante uma semente,

Por mais miniscula que seja,

E acompanhe o seu crescimento,

Para que você saiba de quantas

Muitas vidas é feita uma árvore.

Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro,

Porque é preciso ser prático.

E que pelo menos uma vez por ano

Coloque um pouco dele

Na sua frente e diga 'isso é meu',

Só para que fique bem claro quem é dono de quem

Desejo também que nenhum dos seus afetos morra,

Por ele e por você,

Mas que se morrer, você possa chorar

Sem se lamentar e sofrer, sem se culpar

Desejo por fim que você sendo homem,

Tenha uma boa mulher,

E que sendo mulher,

Tenha um bom homem

E que se amem hoje, amanhã, e nos dias seguintes,

E quando estiver exaustos e sorridentes,

Ainda haja amor para recomeçar.

E se tudo isso acontecer,

Não tenho mais nada a te desejar..."

TEXTO: Victor Hugo

sábado, 12 de junho de 2010

ESFORÇO!


FOTOS DO SHOW DO NANDO REIS PARA O McDia Feliz

Texto postado no twitter do Nando Reis após o show

"Acabo de chegar do show que fizemos para o GRAACC - foi emocionante, as músicas parece que foram adquirindo outro novo e diferente sentido

E estranhamente quando entrei no banheiro havia uma formiga ruiva, única, perdida, ziguezagueando no mosaico de ladrilho branco do chão frio

Há uma população de formigas ruivas que habitam minha casa, na parte invisível e subterrânea que eu não entro nem vejo nem frequento esqueço

Um pequeno relato que certamente despertará pouco ou nenhum interesse em quem não se sensibiliza com pequenas coisas prosaicas corriqueiras

No domingo ao investigar a máquina de café expresso acreditando que ela estava seca d'água, ao abrir o tal compartimento me deparei com elas

Enrosquilhadas no canto na quina como um cacho de flores despidas, em polvorosa reagiram com a invasão de minha mão que revelava o ninho

Elas em choque; eu em choque. O estranhamento imediato - nós temos medo de você. Eu tenho medo de vocês! Ainda que bem que entre os insetos

eram elas, as formigas. Se fossem outra forma insetívora eu talvez tivesse um colapso. Não lido bem com esses seres que abundam aos trilhões

Na verdade enquanto verificava a água, tirava um café que depois do susto vi que dentro da xícara boiava uma delas que havia saído pelo duto

Enfim, encerro essa passagem noturna para agradecer a existência das formigas que nos deixam do tamanho da nossa relativa insignificância

Por isso o show de hoje foi tão gratificante. As músicas adquiriram outro sentido pois diante da perda da vida nós somos iguais as formigas "







quarta-feira, 26 de maio de 2010

Belo e Bizarro!

David Lachapelle

quinta-feira, 13 de maio de 2010

John Butler Trio


video


Better man

Betterman I am since I
Come into contact with you
And you taught so many things about myself
and you know this is true
but now we are apart and its all my fault
cos you know I need to be alone
Don't know myself
so how can I share me with you girl or anyone

Don't want to be a thorn in your side
good woman
Always be the one
to make you cry
Don't wanna be that guy
Good woman
cos you deserve everything
and I got nothing so leave me
and i'll go away better off I stay
Far from you,
because you are beautiful

BEAUTIFUL WOMAN

Now typical man
I am because you think
I want my cake and eat it too
Cos say I can't be in a relationship
but I still feel for you
Cos you are the best woman
This old man has ever met
You taught me about my soul
you shared with me your magic

Don't want to be a thorn in your side
good woman
Always be the one
to make you cry
Don't wanna be that guy
Good woman
cos you deserve everything
and I got nothing so leave me
and i'll go away better off I stay
Far from you,
because you are beautiful

Betterman I am since I
Come into contact with you
And you taught
so many things about myself
and you know this is true
but now we are apart and its all my fault
cos you know I need to be alone
Don't know myself
so how can I share me with you girl
or anyone
Cause you are

sexta-feira, 7 de maio de 2010

1 ANO DE AMOR...


Crônica do Amor

Ninguém ama outra pessoa pelas qualidades que ela tem, caso contrário os honestos, simpáticos e não fumantes teriam uma fila de pretendentes batendo a porta.

O amor não é chegado a fazer contas, não obedece à razão. O verdadeiro amor acontece por empatia, por magnetismo, por conjunção estelar.

Ninguém ama outra pessoa porque ela é educada, veste-se bem e é fã do Caetano. Isso são só referenciais.

Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca.

Ama-se pelo tom de voz, pela maneira que os olhos piscam, pela fragilidade que se revela quando menos se espera.

Você ama aquela petulante. Você escreveu dúzias de cartas que ela não respondeu, você deu flores que ela deixou a seco.

Você gosta de rock e ela de chorinho, você gosta de praia e ela tem alergia a sol, você abomina Natal e ela detesta o Ano Novo, nem no
ódio vocês combinam. Então?

Então, que ela tem um jeito de sorrir que o deixa imobilizado, o beijo dela é mais viciante do que LSD, você adora brigar com ela e ela adora implicar com você. Isso tem nome.

Você ama aquele cafajeste. Ele diz que vai e não liga, ele veste o primeiro trapo que encontra no armário. Ele não emplaca uma semana nos empregos, está sempre duro, e é meio galinha. Ele não tem a
menor vocação para príncipe encantado e ainda assim você não consegue despachá-lo.

Quando a mão dele toca na sua nuca, você derrete feito manteiga. Ele toca gaita na boca, adora animais e escreve poemas. Por que você ama
este cara?

Não pergunte pra mim; você é inteligente. Lê livros, revistas, jornais. Gosta dos filmes dos irmãos Coen e do Robert Altman, mas sabe que uma boa comédia romântica também tem seu valor.

É bonita. Seu cabelo nasceu para ser sacudido num comercial de xampu e seu corpo tem todas as curvas no lugar. Independente, emprego fixo, bom saldo no banco. Gosta de viajar, de música, tem loucura
por computador e seu fettucine ao pesto é imbatível.

Você tem bom humor, não pega no pé de ninguém e adora sexo. Com um currículo desse, criatura, por que está sem um amor?

Ah, o amor, essa raposa. Quem dera o amor não fosse um sentimento, mas uma equação matemática: eu linda + você inteligente = dois apaixonados.

Não funciona assim.

Amar não requer conhecimento prévio nem consulta ao SPC. Ama-se justamente pelo que o Amor tem de indefinível.

Honestos existem aos milhares, generosos têm às pencas, bons motoristas e bons pais de família, tá assim, ó!

Mas ninguém consegue ser do jeito que o amor da sua vida é! Pense nisso. Pedir é a maneira mais eficaz de merecer. É a contingência maior de quem precisa

TEXTO: ARNALDO JABOR

domingo, 2 de maio de 2010

O MUNDO É BÃO SEBASTIÃO


02/05/2010 - Show do Nando Reis e os Infernais no Citibank Hall em São Paulo


sábado, 1 de maio de 2010

INUSITADO,IRREVERENTE...SURREAL


ARTISTA: David LaChappelle

terça-feira, 30 de março de 2010

LOUCOS E SANTOS



Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila.
Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante.
A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos.
Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo.
Deles não quero resposta, quero meu avesso.



Que me tragam dúvidas e angústias e agüentem o que há de pior em mim.
Para isso, só sendo louco.
Quero os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças.
Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta.
Não quero só o ombro e o colo, quero também sua maior alegria.
Amigo que não ri junto, não sabe sofrer junto.
Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade.
Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos.
Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça.
Não quero amigos adultos nem chatos.
Quero-os metade infância e outra metade velhice!
Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos, para que nunca tenham pressa.
Tenho amigos para saber quem eu sou.
Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril

Texto : Oscar Wilde

Fotos: Henri Cartier Bresson


quinta-feira, 25 de março de 2010

JUNTOS


Antes de Amar-te... (Pablo Neruda)
Antes de amar-te, amor, nada era meu
Vacilei pelas ruas e as coisas:
Nada contava nem tinha nome:
O mundo era do ar que esperava.
E conheci salões cinzentos,
Túneis habitados pela lua,
Hangares cruéis que se despediam,
Perguntas que insistiam na areia.
Tudo estava vazio, morto e mudo,
Caído, abandonado e decaído,
Tudo era inalienavelmente alheio,
Tudo era dos outros e de ninguém,
Até que tua beleza e tua pobreza
De dádivas encheram o outono.

TEXTO: Pablo Neruda
FOTO: Henri Cartier Bresson

"Fotografar é colocar na mesma linha de mira, a cabeça, os olhos e o coração"

(Henri Cartier Bresson)

domingo, 21 de março de 2010

A Loba de Ray Ban

O espetáculo A Loba de Ray-Ban foi encenado pela primeira vez em 1987 com Raul Cortez e Christiane Torloni no elenco.

A peça, com texto de Renato Borgui, conta a história de um triângulo amoroso formado por Júlia Ferraz (Christiane Torloni), Paulo Prado (Leonardo Franco) e Fernanda Porto (Maria Maya). As personagens vivem seus conflitos no palco, logo após a interrupção do espetáculo Medéia.

Numa noite, um espetáculo de teatro é interrompido pela atriz principal, que assume o clímax de sua crise existencial e afetiva diante do público. Revela-se o triângulo amoroso vivido por ela, envolvendo o ex-marido e sua atual amante, ambos atores da sua Companhia Teatral.

Espetáculo muito bom. O texto alterna drama e comédia de forma equilibrada e conta com ótimo elenco.

Aos que puderem, vão assistir. A temporada que está no fim vai até dia 28 de março de 2010 no Teatro do Shooping Frei Caneca.Corram.





domingo, 28 de fevereiro de 2010

Trecho do livro "Carpinteiros, levantem bem alto a cumeeira & Seymour, uma apresentação"

Trecho do diário de Seymour

"Fazia um frio terrível na parada vespertina e, apesar disso, uns seis homens desmaiaram na execução interminável do Hino Nacional. Suponho que, se a pessoa não tiver uma circulação sangüínea normal, não consegue suportar o artificialismo da posição militar de sentido. Especialmente se estiver segurando um rifle pesadíssimo no gesto de apresentação de armas. Eu não tenho circulação nem pulso. Sinto-me em casa na imobilidade. O andamento do Hino Nacional e eu estamos em perfeita sintonia. Para mim, seu ritmo é o de uma valsa romântica.
Depois da parada, tivemos uma licença para sair até a meia-noite. Encontrei-me com a Muriel no Hotel Biltmore ás sete. Dois drinques, dois sanduíches de atum comprados numa drugstore, e depois um filme que ela queria ver, alguma coisa com a Greer Garson. Olhei para ela várias vezes no escuro, quando o avião do filho da Greer Garson foi dado como perdido em ação. Sua boca estava aberta. Absorta, preocupada. Total identificação com a tragédia da Metro-Goldwyn-Mayer. Senti um misto de consternação e felicidade. Como eu amo seu coração tão carente de discernimento, como eu preciso dele. Ela olhou para mim quando as crianças no filme trouxeram os gatinhos para mostrar à mãe. Muriel adorou os gatinhos e queria que eu também os adorasse. Mesmo no escuro, podia perceber que ela se sentia afastada de mim como em outras ocasiões em que eu não compartilhei automaticamente as coisas de que gosta. Mais tarde, quando estavamos bebendo alguma coisa na estação ferroviária, ela me perguntou se eu não tinha achado os gatinhos 'muito simpáticos'. Já não usa a palavra 'engraçadinhos'. Quando é que a assustei a ponto de ela abandonar seu vocabulário normal? Como sou mesmo um chato, mencionei a definição de sentimentalismo de R.H. Blyth: uma pessoa é sentimental quando confere a alguma coisa mais ternura do que Deus a ela confere. Disse-lhe (pomposamente?) que Deus sem dúvida ama os gatinhos, mas, muito provavelmente, não com botinhas nas patas e em tecnicolor. Ele deixa esses toques imaginativos para os escritores de roteiros cinematográficos. M. pensou sobre o que eu havia falado e pareceu concordar comigo, mas não deu a impressão que o 'conhecimento' era muito bem-vindo. Ficou lá sentada, remexendo os cubos de gelo no copo e se sentindo muito distante de mim. Ela se preocupa com o fato de que seu amor por mim vai e volta, aparece e desaparece. Duvida da realidade desse amor apenas por não ser tão permanentemente alegre quanto um gatinho. Deus sabe que isso é triste. A voz humana conspira para profanar tudo o que existe no mundo."


domingo, 21 de fevereiro de 2010

PABLO NERUDA

Um poema do escritos chileno Pablo Neruda

É Proibido

É proibido chorar sem aprender
Levantar-se um dia sem saber o que fazer
Ter medo de suas lembranças

É proibido não rir dos problemas
Não lutar pelo que se quer,
Abandonar tudo pelo medo,

Não transformar sonhos em realidade.
É proibido não demonstrar amor
Fazer com que alguém pague por suas dúvidas e mau-humor.
É proibido deixar os amigos

Não tentar compreender o que viveram juntos
Chamá-los somente quando necessita deles.
É proibido não ser você mesmo diante das pessoas,
Fingir que elas não te importam,

Ser gentil só para que se lembrem de você,
Esquecer aqueles que gostam de você.
É proibido não fazer as coisas por si mesmo,
Não crer em Deus e fazer seu destino,

Ter medo da vida e de seus compromissos,
Não viver cada dia como se fosse um último suspiro.
É proibido sentir saudades de alguém sem se alegrar,

Esquecer seus olhos, seu sorriso, só porque seus caminhos se
desencontraram,
Esquecer seu passado e pagá-lo com seu presente.
É proibido não tentar compreender as pessoas,
Pensar que as vidas deles valem mais que a sua,

Não saber que cada um tem seu caminho e sua sorte.
É proibido não criar sua história,
Deixar de dar graças a Deus por sua vida,

Não ter um momento para quem necessita de você,
Não compreender que o que a vida te dá, também te tira.
É proibido não buscar a felicidade,

Não viver sua vida com uma atitude positiva,
Não pensar que podemos ser melhores,
Não sentir que sem você este mundo não seria igual.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

GABRIEL GARCIA MARQUEZ

Um texto de um autor que tive o prazer de conhecer com o livro "Memorias de minhas Putas Tristes".

Na busca por mais textos, encontrei esse trecho que, além de bonito, é muito esclarecedor.

Vale a pena parar e passar alguns minutos lendo.

Espero que gostem.

“Se por um instante Deus se esquecesse de que sou uma marioneta de trapos e me

presenteasse com mais um pedaço de vida, eu aproveitaria esse tempo o mais que
pudesse...
Possivelmente não diria tudo o que penso, mas definitivamente pensaria tudo o
que digo.
Daria valor às coisas, não por aquilo que valem,mas pelo que significam.
Dormiria pouco, sonharia mais, porque entendo que por cada minuto que fechamos
os olhos, perdemos sessenta segundos de luz.
Andaria quando os demais se detivessem,acordaria quando os demais dormissem.
Se Deus me presenteasse com um pedaço de vida, deitava-me ao sol,
deixando a descoberto, não somente o meu corpo, como também a minha alma.
Aos homens, eu provaria quão equivocados estão ao pensar que deixam de se
enamorar quando envelhecem, sem saberem que envelhecem quando deixam
de se enamorar...
A um menino eu daria-lhe asas, apenas lhe pediria que aprendesse a voar.
Aos velhos ensinaria que a morte não chega com o fim da vida, mas sim com
o esquecimento.
Tantas coisas aprendi com Vós homens…. Aprendi que todo o mundo quer viver no
cimo da montanha, sem saber que a verdadeira felicidade está na forma de subir
a escarpa.
Aprendi que quando um recém nascido aperta com a sua pequena mão,
pela primeira vez, o dedo do seu pai, agarrou-o para sempre.
Aprendi que um homem só tem direito a olhar o outro de cima para baixo,
quando está a ajudá-lo a levantar-se.
São tantas as coisas que pude aprender com Vocês, mas agora, realmente
de pouco me irão servir, porque quando me guardarem dentro dessa caixa,
infelizmente estarei morrendo.
Sempre diz o que sentes e faz o que pensas.
Supondo que hoje seria a última vez que te vou ver dormir, te abraçaria
fortemente e rezaria ao Senhor para poder ser o guardião da tua alma.
Supondo que estes são os últimos minutos que te vejo, diria-te “Amo-te”
e não assumiria, loucamente, que já o sabes.
Sempre existe um amanhã em que a vida nos dá outra oportunidade para fazermos
as coisas bem, mas pensando que hoje é tudo o que nos resta, gostaria de dizer-te o quanto te quero,
que nunca te esquecerei.
O amanhã não está assegurado a ninguém, jovens ou velhos.
Hoje pode ser a última vez que vejas aqueles que amas. Por isso, não esperes mais,
fá-lo hoje, porque o amanhã pode nunca chegar. Senão, lamentarás o dia em que
não tiveste tempo para um sorriso, um abraço, um beijo e o teres estado muito
ocupado para atenderes esse último desejo.
Mantém os que amas junto de ti, diz-lhes ao ouvido o muito que precisas deles,
o quanto lhes queres e trata-os bem, aproveita para lhes dizer,
“perdoa-me”, “por favor”, “obrigado” e todas as palavras de amor que conheces.
Não serás recordado pelos teus pensamentos secretos. Pede ao Senhor a força e a
sabedoria para os expressar.
Demonstra aos teus amigos e seres queridos o quanto são importantes para ti”.


quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

EU APRENDI...

Eu aprendi...
...que ignorar os fatos não os altera;

Eu aprendi...
...que quando você planeja se nivelar com alguém, apenas esta permitindo que essa pessoa continue a magoar você;

Eu aprendi...
...que o AMOR, e não o TEMPO, é que cura todas as feridas;

Eu aprendi...
...que ninguém é perfeito até que você se apaixone por essa pessoa;

Eu aprendi...
...que a vida é dura, mas eu sou mais ainda;

Eu aprendi...
...que as oportunidades nunca são perdidas; alguém vai aproveitar as que você perdeu.

Eu aprendi...
...que quando o ancoradouro se torna amargo a felicidade vai aportar em outro lugar;

Eu aprendi...
...que não posso escolher como me sinto, mas posso escolher o que fazer a respeito;

Eu aprendi...
...que todos querem viver no topo da montanha, mas toda felicidade e crescimento ocorre quando você esta escalando-a;

Eu aprendi...
...que quanto menos tempo tenho, mais coisas consigo fazer.